Oferecendo líquidos para o bebê

Antigamente, havia uma prática de se oferecer água, sucos e chás para o bebê menor de seis meses. Nessa época, as mães sentiam necessidade de um utensílio prático para oferecer esses líquidos ao bebê, pois com idade eles ainda não tinham controle postural e motor para lidar com um copo normal. Foi assim que surgiu a “chuquinha”, aquela mamadeira menor que tem um bico bem flexível e é aparentemente inofensiva para a saúde do bebê. Com a mudança da recomendação do Ministério da Saúde para iniciar os alimentos apenas aos seis meses de idade, o uso da “chuquinha” tornou-se totalmente desnecessário e obsoleto.

Além disso, com a crescente associação do uso de bicos artificiais à taxa de desmame precoce, os profissionais da saúde materno-infantil passaram a indicar a substituição da mamadeira pelo copinho do bebê. Este passou então a ser amplamente utilizado nas UTIs neonatais para alimentação e estimulação de bebês prematuros.

Agora, pensem comigo. Se um bebê prematuro, recém-nascido, quando tem oportunidade, é completamente capaz de sorver líquido de um copo. Bom, o que dirá então seu bebê, aos seis meses, cheio de saúde e com domínio progressivo e contínuo do controle postural e motor! Então mamas, a partir do momento que o profissional que o acompanha indicar ingerir outros líquidos, incluindo leite fora do seio materno, não existe contraindicação em tentar o copo.

E por que existe o copo de transição então? Pensando muito sobre isso nos últimos dias, cheguei à conclusão que o copo de transição é muito mais uma necessidade dos pais do que da própria criança. É um utensílio fácil de ser levado pra lá e pra cá na bolsa, se cai no chão não faz sujeira, o bebê suga feito mamadeira, então tem mais facilidade – e consequentemente bebe mais água, o que tranquiliza os pais. Mas precisar mesmo, não precisa.

Atualmente, também tem se discutido muito sobre a questão do bico de silicone, flexível e a válvula anti-escape levarem ao desmame. Na teoria, o bico macio e a válvula podem causar “confusão de bicos”, pois o copo de transição com esses detalhes acaba sendo uma “mamadeira disfarçada de copo”. Mas a literatura científica não comprova essa tese. Essa tese é inclusive em relação à mamadeira, e foi “estendida” ao copo. Em todo caso, para bebês introduzidos ao leite artificial por qualquer motivo, o copinho do bebê é sem dúvida as opção mais segura para manutenção da amamentação.

Então, resumindo, qual copo escolher? Basicamente você vai ter que pesar suas escolhas no início, mas quem vai te mostrar o caminho vai ser seu bebê. A chuquinha, ou a mamadeira, por exemplo, podem até ser um caminho mais fácil a curto prazo, já que a sucção está bem estabelecida e o bebê terá mínima ou nenhuma dificuldade. Então o que você tem que se perguntar diariamente é o que o bebê está de fato aprendendo e pesar todo custo-benefício.

A partir dos 6 meses, ele não precisa ingerir grandes quantidades de água, mas sim, gradativamente, ir se acostumando e aprendendo a sorver – mais uma nova e desafiadora habilidade. Se você optar por já oferecer no copo aberto, normal, irá perceber que há escape, incoordenação e pode até haver tosse. Faz parte. Ninguém aprende a andar sem levar uns tombos antes. Em pouquíssimo tempo você já vai observar uma melhora contínua e progressiva na habilidade coordenada de sorver e deglutir. Se eu puder te dar uma sugestão, convide seu bebê para beber no seu copo, quando você estiver bebendo água também. Bebês são muito curiosos e aprendem por imitação.

 

 

 

 
 

O copinho do bebê pode ser substituído por um copinho pequeno de pinga. Esse copinho é ainda mais fácil, já que aos poucos o bebê, além de aprender a sorver, vai se interessar em segurar! Dá uma olhada:

 

 

 

 
 

O copo com canudo também é uma outra excelente opção. É difícil, mas tente manter o canudo entre os lábios, e não apoiado na língua. No começo é tudo bem descoordenado, mas aos poucos o bebê pega o jeito. O copo de transição com canudo é também uma excelente opção para fugir do copo de transição com os furinhos, já que esse último desfavorece o correto posicionamento da língua durante a deglutição. Alguns exemplos:

 
 

 

Eeeeee! Canudinho!!! #blwagua #blw9meses

A post shared by Por Aline Padovani (@tanahoradopapa) on

 

 

 
 

E o mais importante: coloque-se no lugar do bebê! Entenda que seu desenvolvimento é dependente das oportunidades de aprendizagem ao qual ele é exposto! E que se sujar, babar, incoordenar, engasgar, tossir, faz parte! Esteja preparada para ajudar se for necessário, e vibrando a cada nova conquista do seu pequeno! 🙂