O que eu aprendi com o BLW, por Dani Zanoni

por Daniela Zanoni

@bb_blw

 

Chegou o tão esperado momento, depois de 6 meses de aleitamento exclusivo, é hora do meu pequeno começar a comer. Há tempos tenho em minha mente como será esse processo. Meu filho em seu cadeirão, provando todos os alimentos, sem reclamar, cada refeição é um momento mágico, como nós nos divertimos. Com o tempo surgem novas habilidades, os talheres são introduzidos, nem sei por que comprei babador, como tudo lindamente, sem derrubar, sem jogar o prato no chão, penso que vou até introduzir faca e talher para peixe.

Ok, acho que idealizei demais a IA do meu filho. Sempre pensei que na introdução alimentar do Thomas quem ia aprender era ele. Porém me enganei, o aprendizado ocorre com todos os envolvidos, pai, mãe, avós (quando juntos). O aprendizado ocorre todos os dias e em cada refeição, requer paciência, pois algumas “lições” levam mais tempo para serem assimiladas. Paciência e respeito são meus mantras, sem eles fica impossível seguir o BLW (e muitas situações em nossa vida).

Já são 8 meses de BLW, e posso dizer que nesse tempo aprendi a deixá-lo explorar, mesmo que isso signifique NÃO COMER NADA, só ficar amassando os alimentos para ver se sai caldo ou pedaço. É assim que eles vivenciam a comida, uma preparação para quando começarem a comê-la. Também aprendi que os talheres devem estar disponíveis, porém não devem ser impostos. Ao observar a família comer, o bebê vai entendendo a função daquela “coisa”, e no tempo dele começará a imitar. Bem, para que o bebê imite, é necessário que ele faça parte desse momento social da família, que são as refeições.

Aprendi a observar as habilidades do meu filho, entendendo assim como devia oferecer os alimentos (palito, pedaço, picado, inteiro), facilitando num primeiro momento, e depois desafiando, mudando a forma de oferecer. Para alguns bebês antes, para outros depois, surge o prazer de comer. Com isso também aprendi que ele tinha preferências, e para os alimentos não tão bem aceitos, era necessário reinventar (preparação, novos temperos).

Um aprendizado não muito legal é quando aquela refeição que você fez com tanto carinho pode não agradar. Aliás, pode nem ser tocada, ou pior, pode tocar diretamente o chão junto com o prato. Nessas horas, uma boa respiração é necessária, um dia no spa também resolve. São muitos os motivos, um dente, salto triplo carpado do pico de desenvolvimento ou simplesmente não está a fim.

Rezar não vai tirar a meia melancia que ele enfiou de uma vez na boca, mas ajuda a acalmar para que eu saiba intervir caso ele não consiga resolver um Gag em 15 segundos, assim como saber realizar a manobra de Heimlich. Aprendi que os benefícios da alimentação saudável de hoje pesarão nas escolhas dele futuramente, e que fica mais difícil a aceitação dele se a alimentação da família não estiver no mesmo “barco”, pois meu prato é uma extensão do dele.

Aprendi que a sujeira faz parte, que um plástico embaixo do cadeirão evita o desperdício, e que no youtube tem um monte de vídeos ensinando a tirar manchas de roupa. Naqueles dias mais difíceis, em que temos vontade de trancar tudo e sair correndo, às vezes às vezes choro um pouquinho, mas depois (antes de fugir), tento pensar que é mais um dia em que estou respeitando o tempo do meu filho. O BLW exige dedicação, mas a recompensa vem no momento em que o bebê estiver pronto, pois o aprendizado é de todos, mas ele é o protagonista, e é ele quem comanda o show.

 

Dani Zanoni, 39 anos, educadora física de formação, é mãe do Thomas, de 14 meses. Seguidora ativa das siglas LM, LD, Cc, BLW e de criação com apego, atualmente compartilha suas experiências  BLW no instagram @bb_BLW.

 

 

Orange Appeal!

2 comentários sobre “O que eu aprendi com o BLW, por Dani Zanoni

  1. Estou com tantas duvidas, medos, insegurança… minha bebe de 7 meses não come NADA, ela não aceita de jeito nenhum que eu leve nada na boca dela, nenhuma papinha, nenhuma fruta, nada, nada…. estou desesperada já… Então depois de pesquisas, encontrei esse metodo de alimentação, e estou começando, ou melhor, tentando introduzir.
    Minha bebe tem o interesse de pegar na mão, leva na boca, mas não engole, ela cospe tudo, isso é normal, e se for, quanto tempo leva para começar engolir os alimentos. Me ajudem, me deem uma luz por favor! Obrigada pelo site!

    Curtido por 1 pessoa

Os comentários estão desativados.