Do que você tem medo?

medo

Podem te chamar de super-protetora, não tem jeito. Como mãe, é provável q muitos medos te persigam.

Mas ter medo é saudável, não?

Nosso cérebro trabalha pra que a gente evite aquilo que nos causa desconforto. Excesso de medo já não é tão saudável assim. Porque imobiliza, paralisa, relativiza e anula qualquer possibilidade.

Aqui no blog, naturalmente, o que mais acontece é o medo do engasgo. Processo diário de descontrução, sem invalidar um risco – real – de acontecer com qualquer criança.

Ontem postei Nick tomando água no copo de vidro. Supervisionado. Sentado. Seguro. Alguém me chama a atenção: “É perigoso”. Sempre tem alguém com medo do copo de vidro. Do talher de metal. Do prato de cerâmica. Do engasgo. Aqui no blog? Normal.

Mas depois de consultar diversas opiniões heterogêneas (we internê), concluo que Maternar é cultural, é único, é intenso e faz parte de um processo individual de escolhas baseadas não só em conhecimento, mas em vivências e escutas distintas da vida também.

Entendo que maternar o primeiro filho seja bem diferente do q maternar o segundo. Que dirá compreender a maternagem do filho do outro.

Digo tudo isso porque, do fundo do coração, entendo seu medo. De engasgo. De copo de vidro. De queda. De choque. De assalto. De doença. De febre. Da Zika. Do que for.
Compartilhamos alguns medos. Outros não.

Discordar é saudável, faz parte.

Eu poderia ainda me apegar à máxima “Sempre dei no copo de vidro e não morreu”. Mas não, pessouas, não é o caso. Foi uma escolha consciente, nunca esperei que “morrer” pudesse ser uma consequência.

Aqui em casa adotamos o talher de casa e o copo de vidro muito cedo, pois faz parte de uma série de escolhas que fizemos e que funcionaram muito bem com a personalidade do MEU filho e da MINHA família. Não é sempre que dou no copo de vidro, reconheço que por vezes não há necessidade. Conheci muitos outros casos parecidos também. Se vai dar certo com BabyQuim, não sei dizer.

Mas queria te falar que entendo seu medo. Entendo se não combina com sua rotina, seu estilo de vida, com a personalidade do seu filho, com seu estilo de maternar e com seus medos.

Medo é algo mto pessoal.

Eu também tenho os meus. Nem todos são racionais. E faz parte.

Quem disse que mãe é tudo igual?