11 lições que eu aprendi com Carlos Gonzales

Capturar

Terminei de ler o livro “Meu Filho Não Come”, do pediatra espanhol Carlos Gonzales (editora Timo).

De fácil leitura, cheio de obviedades, referências científicas e também de visões pessoais e experiências do médico com o assunto.

Eu grifei algumas partes em especial e fiz algumas anotações interessantes que gostaria de dividir com vocês!

 

 

1- Leite materno é VIDA! É tão completo que uma pessoa sobreviveria anos, bem-nutrida, tomando apenas leite materno. As pessoas não continuam tomando leite materno porque simplesmente não lhe dariam hahah

 

2- A livre demanda durante a amamentação exclusiva não deveria nunca ser repensada (salvo casos excepcionais). Durante o período de amamentação exclusiva, o peito é a única fonte de hidratação e nutrição do bebê. Nesse caso, negar o peito porque ainda não deu o horário é como negar água à uma pessoa com sede ou comida à uma pessoa com fome.

 

3- É possível oferecer leite de fórmula em livre demanda também. Apenas experimente não se frustrar quando ele não bebe uma mamadeira inteira, já é um primeiro passo!

 

4- Em uma análise histórica, nota-se que o problema “a criança não come” foi criado por uma demanda da própria pediatria que, cada vez mais, passou a considerar datas cada vez mais precoces, e pré-determinar horários e quantidades pra criança comer.

 

5- Muitas vezes, “meu filho não come” começa ainda durante a amamentação. E o “problema” (que Gonzales nota que na maioria das vezes de fato não é um problema), vai se arrastando até a introdução alimentar. Dali por diante só piora.

 

6- Naturalmente, o problema “meu filho não come” acaba surgindo do desequilíbrio entre o que a criança come e o que o adulto espera que ela coma.

 

7- Não existe uma técnica milagrosa para a criança comer. Ou ela é saudável e não está com fome, ou tem alguma doença que deve ser investigada e tratada. E então, a partir do tratamento da CAUSA, pode ser que a criança coma mais. Ou não. Pode ser que ela continue comendo pouco, mas se desenvolva normalmente.

 

8- Não importa com qual alimento começar a introdução alimentar, não há bases científicas para recomendar um ou outro.

 

9- Forçar a comer é desumano. Coloque-se no lugar na criança, mesmo sem ser criança. Ninguém em sã consciência se vê em uma situação fazendo cena pra não comer quando se tem vontade.

 

10- Um experimento que vai mudar sua vida (se o seu filho é saudável, mas não come):

  1. Pese seu filho em uma balança
  2. Não o obrigue a comer
  3. Volte a pesá-lo depois de um tempo
  4. Se ele não tiver perdido 1 kg, continue sem obrigá-lo a comer e volte ao passo 2
  5. Se ele tiver perdido 1kg o experimento acabou. (leve-o a um especialista – essa parte é por minha conta rs)

 

11- Dois conselhos pra vida:

  1. Não obrigue uma criança a comer
  2. Não obrigue jamais, por nenhum método, sob nenhuma circunstância, por nenhum motivo uma criança a comer.

 

Se tiverem a oportunidade, leiam! Fácil e agradável leitura! Esta à venda no site da Editora Timo, da minha querida amiga Ana Basaglia! ❤

Beijão!

Aline

 

face-ads-2

Um comentário sobre “11 lições que eu aprendi com Carlos Gonzales

Os comentários estão desativados.