A criança que não come: dificuldade ou comportamento?

Você sabia que apenas 12% das dificuldades alimentares apresentadas pelas crianças possuem causa puramente comportamental?

A dificuldade alimentar é uma queixa muito comum em países do mundo inteiro. Ter uma criança que não come, que come muito pouco ou come apenas alguns alimentos específicos é um desafio e tanto para os pais. Muitos acreditam que o filho esteja tentando testá-los ou manipulá-los ao virarem o rosto, empurrarem o prato, baterem na colher, provocarem o vômito etc, e tendem a tratar a dificuldade alimentar como “mau comportamento”.

Porém, as pesquisas têm demonstrado que apenas uma pequena parcela das crianças realmente usa o “não comer” para chamar a atenção dos pais.

A grande maioria das crianças com dificuldades alimentares não come porque, para elas, comer pode ser muito difícil e ameaçador! Seja porque comer as faz sentir dor, seja porque as faz sentir um enorme desconforto gastrointestinal, seja porque determinados cheiros e texturas lhes são muito aversivos, seja porque elas não conseguem mastigar e engolir determinado alimento, seja porque elas têm muito medo de comer. Para essas crianças, estratégias como deixar com fome, cozinhar outra coisa diferente para ver se quem sabe a criança aceita ou usar distrações das mais diversas, não funcionam.

Como mãe e profissional que trabalha com dificuldades alimentares, sei como é difícil lidar diariamente com esses desafios. As refeições se tornam momentos cada vez mais estressantes. Os pais se sentem frustrados, exaustos e muitas vezes, sentem-se culpados e incapazes de lidar com a situação.

Então, antes de buscar soluções, olhe para o seu filho, pense e tente descobrir o que ele está querendo te dizer com o “não comer”Lembre-se que por trás de todo comportamento tem um sentimento ou uma necessidade não atendida. 

Compreender os motivos pelos quais o seu filho está se recusando a comer, é o primeiro passo para começar a ajudá-lo a superar suas dificuldades na alimentação.

Se você desconfia que seu filho possa ter alguma questão médica, sensorial, motora-oral ou emocional, não hesite em procurar ajuda especializada!

 

Colaboradores do BLOG (3)

REFERÊNCIAS:

Cardona Cano S, Hoek H, Van Hoeken D, Barse L et al. Behavioural Outcomes of picky eating in childhood: a prospective study in the general population. Journal of Child Psychology and Psychiatry. 2016; 57(11): 1239-1246.

Fraker C, Walbert I, Cox S, Fishbein M. Food Chaining: The Proven 6-Step Plan to Stop Picky Eating, Solve Feeding Problems, and Expand your Child’s Diet. Cambridge, MA. Perseus Books, 2009.

Rowell K, McGlothlin. Helping your Child with Extreme Picky Eating – A step by step guide for overcoming selective eating, food aversion and feeding disorders. Raincoast Books, 2015.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s