Posso temperar a comida do bebê?

 

bigstock-Turkey-Chili-168338621.jpg

A gente sabe que a alimentação dos bebês é cercada de regras e tabus, né? Entre os muitos mitos criados, está aquele relacionado ao sabor da comida que é oferecida na introdução alimentar. A ideia de que alguns temperos seriam muito fortes e, portanto, não poderiam ser adicionados na comida dos bebês é muito comum. E não deveria ser assim!

Além de não haver contraindicação de uso, os temperos naturais possuem uma infinidade de propriedades medicinais, agregam valor nutricional e ampliam a experiência sensorial da alimentação.

O bebê é uma página em branco também no que diz respeito ao paladar. Ele está descobrindo o mundo pela boca, ávido por todas as sensações que ela pode promover e o alimento é parte importante de todo esse aprendizado. Podemos ajudá-los a criar um paladar diversificado e aberto, basta dar oportunidade! Privar o bebê de sabores não é necessário. Eles podem e devem comer comida gostosa, refogada, temperada, com sabores variados, cores diversas!

 

“Mas e pimenta, também pode?”

Sim, podemos usar alguns tipos de pimenta que são mais aromáticas, com um poder de ardência menor, como a pimenta do reino ou a pimenta branca.  Sempre em bem pouca quantidade para que não provoque ardência, pois pode ser desagradável. Só não vale usar sal (em menores de um ano) e temperos industrializados, ok?! Aliás, os industrializados a gente sabe que não deveriam estar na alimentação de ninguém, nem dos adultos!

Mas eu sei também que muitas pessoas não possuem nenhuma prática com os temperos e encontram grande dificuldade em combiná-los! Então eu trago aqui uma lista de algumas ervas e especiarias com suas respectivas propriedades medicinais e nutricionais e algumas formas de utilização para que vocês passem a incluir na rotina da família de vocês. Usem sem medo, ousem, descubram vocês também suas combinações preferidas e ganhem sabor e saúde!

 

Assortment Of Fresh Herbs

Ervas frescas dão sabor e aroma especial aos alimentos!

LOURO

Muito conhecido pelo seu uso no feijão, também vai bem em ensopados, carnes assadas, guisados. É componente do Bouquet garni, uma combinação de ervas utilizada na gastronomia para dar sabor a caldos e sopa.

Como seu sabor é intenso, em geral uma folha de louro basta para conferir sabor. Deve ser adicionado no início do preparo, pois libera aromas bem lentamente. A folha deve ser retirada antes de servir.

Propriedades: favorece a digestão e a eliminação de gases. É antirreumático, interessante no tratamento de gripes e resfriados.

 

ALECRIM

Tem sabor pronunciado e deve ser usado com cautela para não sobressair muito no resultado do prato. Como suas folhas são duras, o ideal é retirá-las antes de servir. Além das folhas, ramos inteiros podem ser adicionados no preparo.

Combina com carne vermelha, frango, carne suína, carnes de caça e legumes assados, especialmente batatas. É usado em marinadas de carnes e frango.

Propriedades: melhora da memória, expectorante, ajuda em problemas respiratórios. Seu chá favorece a digestão.

 

MANJERICÃO

Muito conhecido por seu uso na culinária italiana, o manjericão é extremamente aromático e de sabor suave. Deve ser usado preferencialmente fresco e adicionado no final do preparo.

Complementa pratos que levam cebola, orégano, alho ou azeite. Combina muito com tomate, omeletes e é ingrediente principal do molho pesto.

Propriedades: diurético, melhora digestão, protege o fígado e é um bom antioxidante.

 

CEBOLINHA VERDE

Pertence à família do alho, cebola e alho-poró. Costuma acompanhar a salsa em diversos pratos, o famoso cheiro verde.

Cortada em pequenas rodelas para realçar o sabor, deve ser adicionada no final do preparo e é ótima para decoração de pratos. Pode ser usada em saladas, omelete, sopa, molhos, arroz.

Propriedades: rica em vitamina A, B3, e C e cálcio. Apresenta atividade antioxidante.

 

ACAFRÃO DA TERRA

É derivado de uma raiz de cor forte alaranjada, da mesma família do gengibre. Possui sabor forte e é muito pesquisado por suas propriedades terapêuticas. Normalmente é utilizado o pó, adicionado no final do preparo (assim suas propriedades são mais conservadas) em arroz, peixes, frutos do mar, frango, sopas e molhos.

A curcumina, um dos seus componentes ativos, é melhor ativada na presença de pimenta do reino, por isso é válido usar as duas especiarias juntas na preparação.

Propriedades: é rico em beta-caroteno, um precursor da vitamina A com efeito antioxidante. Possui forte ação anti-inflamatória. Contribui para redução do colesterol LDL e do triglicerídeo. Melhora a imunidade, tem ação anticancerígena e antioxidante. 1 colher de café ao dia é suficiente para redução dos marcadores de inflamação.

 

CANELA

Pode ser utilizada no preparo de alguns pratos salgados como guisados, carne moída, massas, purês, risotos e molhos. Mas aqui no Brasil costumamos usar em preparações doces. Para os bebês, pode ser adicionada na banana ou na maçã, por exemplo. Confere um sabor quente e acolhedor aos pratos.

Propriedades: contribui para regulação do metabolismo de açúcar, regularizando os níveis de açúcar no sangue. Possui ação antioxidante e anti-inflamatória.

 

GENGIBRE

Possui sabor picante e marcante. Pode servir para aromatizar carne ensopadas, peixes e frutos do mar, sucos, legumes, risotos.

Por ser uma raiz, utiliza-se em pequenas lascas, ralado ou em pó. Para que se mantenha o princípio ativo, o ideal é ralar na hora do preparo.

Propriedades: fonte de vitamina B3, B6 e C, magnésio, selênio e zinco. Possui ação antioxidante e anti-inflamatória importantes. Melhora a digestão, desempenho mental e auxilia na redução da fadiga.

 

Para utilizar na prática, a receita do clássico caldo de legumes que pode ser usado como base de diversos molhos, sopas e outros pratos que levem caldo:

 

CALDO DE LEGUMES CASEIRO

 

Ingredientes

– 2 cebolas picadas

– 2 cenouras pequenas picadas (ou 1 grande)

– 1 talo de salsão picado (aipo)

– Alho poró (parte verde – folha)

– 2 dentes de alho descascados

– 5 litros de água

– 1 bouquet garni (Louro, salsa, folha do alho poro e outras ervas de preferência)

 

Modo de preparo

Coloque os legumes na panela, acrescente a água e o bouquet garni. Deixe cozinhar sem ferver por 40 a 60 minutos. Aguarde esfriar, separe em potes de vidro ou forminhas de silicone e congele para utilizar em diferentes dias e tipos de preparação!

 

Michelle BentoNutricionista formada pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) em 2008, pós graduada em nutrição clínica funcional pelo Instituto Valéria Pascoal. Atua em consultório e como personal (2)

face-ads-2

12 coisas que você precisa saber sobre o BLW

SEIS COISAS QUE VOCÊ DEVERIA FAZER NO BLW
1. Para começar o BLW, a partir dos seis meses, o seu bebê deve estar bem sentado, com ou sem apoio, dependendo das habilidades motoras dele no momento. Nos primeiros dias, você pode sentar com ele no seu colo, de frente para a mesa. Uma vez que comece a colocá-lo sentado no cadeirão, vc pode utilizar almofadas pequenas ou uma toalha enrolada para mantê-lo ereto e na altura adequada em relação à bandeja ou à mesa.

Fofura de sábado a noite! 😊😉 @Regrann from @pediatriadescomplicada – E da laranja só sobrou…o bagaço! 😊😊 ❓Pode comer qualquer laranja com 6 meses? P-o-d-e!!! Laranja pêra, laranja lima, laranja bahia… Não precisa ser laranja lima, muito menos o suco! A fruta in natura é preferível ao suco!🍊 http://pediatriadescomplicada.com/2015/02/04/orientacao-sobre-sucos-dar-ou-nao-a-crianca/ ☝Sucos tem maior índice glicêmico, menor quantidade de fibra ( quando coado perde tudo praticamente!) e não tem a experiência da fruta! Textura, cor e sabor! ✔O Rory está com 6 meses e iniciou a introdução alimentar pelo método baby led weaning. ✔Se vc quiser oferecer a laranja dessa forma, corte a laranja e 4 e tire o caroço e a casca. Ou descasque a laranja e corte ao meio como uma "tampa". ✔Para oferecer pelo método tradicional, amasse a laranja, com o bagaço e tire os caroços! ✔Segurança sempre!!! Qualquer alimento deve ser dado com a supervisão de um adulto, independente do método. 😉 Mais dicas de #introduçãoalimentar e #blw no Blog. Veja os links ⚫http://pediatriadescomplicada.com/2015/06/22/10-dicas-praticas-para-a-introducao-alimentar/ ⚫ http://pediatriadescomplicada.com/2015/02/06/introducao-alimentar-entenda-o-metodo-baby-led-weaning-blw/ ⚫ http://pediatriadescomplicada.com/2015/02/02/introducao-alimentar-quando-quanto-e-como-oferecer-os-alimentos-a-crianca-parte-3/ Um bjo Dra Kelly Marques Oliveira www.pediatriadescomplicada.com #pediatriadescomplicada #pediatria #drakellyoliveira #blw #blwbrasil #introducaoalimentar #alimentacaodacrianca #babyledweaning #blwpediatriadescomplicada Consultório em São Paulo (11)5088-6699 Post não substitui consulta😉 Vídeo autorizado pela mamãe @fernanda_faria #Regrann

A post shared by Por Aline Padovani (@tanahoradopapa) on

2. Comece oferecendo pedaços de comida macios e fáceis de pegar. Os melhores são os palitos de fruta ou legumes macios e grossos, mais ou menos do tamanho do seu dedo indicador. Lembre-se que os bebês pequenos não conseguem abrir a mão voluntariamente para acessar o que tem dentro do punho fechado, então não espere que ele coma os pedaços inteiros, tenha outros pedaços preparados para quando ele terminar de comer a parte que sobressai na mãozinha fechada.

Por que cortar os alimentos em pedaços grandes? Porque no início da IA, o bebê consegue agarrar objetos, mas não conseguem soltá-los voluntariamente. Então, a mãozinha se fecha inteira (todos os dedos juntos) e só se abre de novo geralmente na tentativa de se pegar algo que seja mais interessante. Tudo é exploração. Então, os palitinhos de legumes e frutas são ideais no início, pois o bebê consegue agarrar com mais facilidade e comer a pontinha que fica pra fora da mão. Aos poucos, o bebê começa fazer esse controle voluntariamente, e os movimentos dos dedinhos começam a se dissociar. A partir daí, o movimento grosseiro de pinça começa a se desenvolver. Aí estão já é hora de começar a apresentar os alimentos um pouco menores e de diferentes formatos. Lembre-se que a intenção do BLW em si é deixar que o bebê se desenvolva naturalmente, não é "estimular". O desenvolvimento é consequência da pura e simples oportunidade de exploração! Um bom dia a todos com essa princesa linda que está começando o BLW com a mames @dbabilonia with @repostapp.
・・・
Ignorem minha fala e voz 🙈 faz parte de ser mãe coruja e orgulhosa #babyledweaning #blw #blwbrasil #introduçãoalimentar

A post shared by Por Aline Padovani (@tanahoradopapa) on

3. Ofereça variedade. Não é necessário limitar a experiência do bebê com a comida. É importante não sobrecarregá-lo em cada ocasião, mas apresentar-lhe sabores e texturas diferentes ao longo da semana lhe proporcionará uma variedade de nutrientes, além de ajudar a desenvolver as habilidades necessárias para comer. Na medida do possível e sempre que seja adequado, ofereça o mesmo que o restante da família come, para que ele possa participar de toda a experiência social.

4. Siga oferecendo o peito ou o leite artificial como anteriormente, além de oferecer água durante o dia. O padrão das mamadas não irá variar até ele começar a comer mais sólidos, o que irá acontecer de forma muito gradual.

Quem nunca? #blwfail #horadopapafail #tetewins 😂😂 #euapoioleitematerno #antesduranteoudepois

A post shared by Por Aline Padovani (@tanahoradopapa) on

5. Fale com o pediatra ou profissional da saúde que acompanha o desenvolvimento do seu bebê sobre a introdução de sólidos, discutam sobre história familiar de intolerância aos alimentos, alergias, problemas digestivos ou qualquer outra dúvida sobre a saúde ou desenvolvimento global do bebê.

Tô de olho no sinhôôô!!! Boa noite instamigss!!! 🙂

A post shared by Por Aline Padovani (@tanahoradopapa) on

6. Explique sobre o BLW a todos que vão cuidar do seu bebê.

Super confirmada a presença da querida Dra Vânia Gato do Ig @sospediatra, com a palestra "Fundamentos e aplicações iniciais do Baby-led Weaning"! E vc, já fez sua inscrição? Corre lá! 🏃💨🏃💨🏃💨 www.conalco.com.br @sospediatra with @repostapp.
・・・
Será que o método #blw se ajusta na sua casa? Se você concorda com todas as afirmações abaixo, então o #blw se encaixa perfeitamente. Lembrem-se: 1⃣ O BLW é o método mais natural de introduzir alimentos complementares 2⃣ O início não será desanimador se você entender que o leite ainda será a principal fonte de alimentação 3⃣ Ansiedade e #blw não combinam 4⃣ a bagunça não deve ser a causa de você não fazer #blw. Reveja as prioridades 5⃣ O bebê só conseguirá mostrar sua habilidade de lidar com sólidos e de alimentar-se sozinho se ele tiver a chance de fazê-lo 🙏🙏🙏

A post shared by Por Aline Padovani (@tanahoradopapa) on

SEIS COISAS QUE VOCÊ NÃO DEVERIA FAZER NO BLW

1. Não ofereça comida que não seja boa para o bebê, como comida pronta industrializada, alimentos ultra-processados ou com adição de sal/açúcar. Mantenha fora de seu alcance tudo o que possa levar ao engasgo.

2. Não ofereça sólidos quando ele está com fome e precisa mamar. O bebê com sono fica extremamente irritadiço e não se interessa pela comida.

3. Não pressione ou distraia o bebê enquanto ele manipula a comida. Permita-o concentrar-se e estabelecer sozinho o ritmo do que está fazendo.

Cheia de ideias, preparando o curso de BLW para o pessoal do acesso exclusivo ouro do #conalco2015, eu me deparo com o seguinte conhecimento, da década de 40 (!!!): "uma mãe pode confiar nas escolhas de uma criança que ainda não tenha tido o paladar modificado (…) caso essa mãe sirva uma variedade de alimentos balanceados, naturais e não-processados, que a criança goste de comer no presente (…) E isso significa que a mãe não tem que se preocupar se a criança temporariamente passa a não gostar de determinado vegetal" (porque no fim das contas está ingerindo nutrientes de outras fontes igualmente importantes). (Dr Benjamin Spock, 1946). Entre outras questões levantadas no artigo que estou lendo, o grande problema em deixar a criança escolher o que ela quer comer, nos dias de hoje, é o como nós, ADULTOS, estamos comendo. A criança deve poder ter escolhas dentre um leque de comidas saudáveis, que vão nutrir e não "encher a pança". É muita responsabilidade criar o repertório do apetite de uma criança, porque sabemos que elas não vão viver em uma bolha. Mas se um dia vierem a escolher um alimento saudável em detrimento à uma "besteira", é porque de fato gostam daquele alimento, então sei que cumprimos nosso papel. Não é fácil, mas quem disse que ia ser? 😊 #blwbrasil #IAparticipativa #IAresponsiva

A post shared by Por Aline Padovani (@tanahoradopapa) on

4. Não coloque comida em sua boca (e esteja atento à crianças que podem querer tentar “dar uma mão” e fazer o mesmo). Deixar que o bebê tenha a iniciativa é uma característica fundamental de segurança no método BLW.

Relembrando o dia de ontem no #conalco2015・・・ Uma questão de semântica … É importante ressaltar que, dar uma fruta ou um legume na mão da criança uma vez ou outra não caracteriza BLW. O termo ficou em evidência como uma "moda" entre as mães, mas é importante entender o conceito original. Entenda, pesquise, pergunte, troque ideias e receitas com outras mães que já aplicaram ou que estão aplicando o método, inclusive para receber suporte e "apoio moral". Quanto mais você entender o método, mais sentido ele vai fazer pra você e maiores as chances de você estar praticando com sucesso o melhor que o BLW tem a oferecer para seu bebê. Praticar o BLW precisa de muito empenho, paciência e requer que você, acima de tudo, confie no seu bebê. Ele vai ser o principal ditador das regras. Ele vai te dizer o que, como, quando e quanto quer comer. Pode ser que você deixe a disposição uma série de alimentos e ele te diga (mesmo sem falar) que não é ali nem agora que ele gostaria de estar. Não se desespere, tenha paciência, controle a ansiedade. Dê tempo à ele. A alimentação é em livre-demanda. Se ele não quer comer agora, tente daqui meia hora. Coloque-se no lugar do bebê e tente entender a vontade dele. E lembre-se que o leite é a principal fonte de nutrição do bebê durante o primeiro ano de vida. Discuta suplementos de vitaminas e ferro com o seu pediatra de confiança. E importantíssimo: BLW só depois que o bebê for capaz de sentar com pouco ou sem apoio e capturar objetos com a mão e levá-los à boca. Antes disso, se for necessária a introdução de alimentação complementar, somente o método tradicional é indicado. Vale lembrar que o método tradicional de introdução de alimentação complementar é amplamente utilizado e é inclusive o proposto pelo Ministério da Saúde do Brasil atualmente. Se vc é uma pessoa que gosta de ter total controle da situação, entre de cabeça no método tradicional. Porém, caso opte pelo método tradicional, sugiro que não deixe de oferecer alimentos em pedaços (finger food) vez ou outra para seu bebê. O estímulo sensorial destes alimentos é extremamente importante e vão auxiliar no correto desenvolvimento oral do seu bebê. Na dúvida, consulte um fono

A post shared by Por Aline Padovani (@tanahoradopapa) on

5. Não tente persuadi-lo para que ele coma mais do que quiser. As estratégias, jogos, subornos e ameaças não são necessárias.

6. NUNCA deixe seu bebê sozinho enquanto come.

Da série: #essenciaisdoblw Sabia que um dos princípios do BLW é que o bb coma junto com a família? Dar um alimento na mão do bebê e ir fazer outra coisa, além de perigoso, descaracteriza completamente o método! Sabe por que? Porque no BLW, espera-se que o bebê comece a comer porque se interessa pela comida que a própria família está comendo e aprende a comer essencialmente pela imitação! Ele aprende desde o princípio sobre um dos aspectos mais importantes da alimentação, que é a socialização!!! 👪👨‍👩‍👧👨‍👩‍👧‍👦 "Comer junto" é tão prazeroso que sempre que vamos combinar um encontro com um velho amigo, o que propomos? Um jantar, um café, um churrasco… 😋😋😋 Por que deixar o bebê de fora? 👶🏽👶🏾👶🏼 ⁉️ E na #IAparticipATIVA? Mesmo que vc opte por oferecer papinhas ao bebê, vc também pode colocá-lo junto à mesa com vcs, durante a refeição, para que ela possa participar manipulando os alimentos da família!

A post shared by Por Aline Padovani (@tanahoradopapa) on

 

TRADUÇÃO (inglês > português): Rapley, G. Guia para implementação de uma abordagem de introdução de alimentos sólidos guiada pelo bebê. 2008. Disponível em: www.rapleyweaning.com.

Orange Appeal!

1 abacate = 3 apresentações

Além de ser saudável, abacate é uma delícia! Com esse calorão, as frutas estão amadurecendo super rápido e aqui estava eu com um abacate enorme e maduro em casa. Não pretendíamos comer o abacate inteiro, então resolvi cortá-lo e separá-lo para 3 apresentações diferentes! Ficou tudo uma delícia e aí vão as receitas:

1. Tirinhas de abacate

No BLW, vc pode oferecer o abacate em tirinhas, estilo batata palito, sem tirar a casca pra facilitar a preensão. Depois que os dentinhos nascerem, sugiro que retirem a casca, pois ela é fácil de quebrar e ser um causador de engasgo. 😁😉

2. Guacamole baby

Com uma metade do abacate, vc pode tirar as tirinhas pra oferecer pro seu baby enquanto prepara o restante das receitas, e raspar o que sobrou em uma tigela. Acrescente tomate, cebola, pimentão e salsinha picadinhos pequenininhos. Tempere com limão, pouco sal e 1 fio de azeite de oliva extra-virgem. Para o restante da família, vc pode ainda adicionar pimenta dedo de moça e pimenta preta a gosto!

Sirva para o bebê em torradinhas ou em batatas assadas! Delícia! 😋😋

3. Sorvete de abacate receita das minhas amigas Mari e Deinha

Coloque a outra metade do abacate no congelador. Quando estiver congelado, bata no processador até virar sorvete! Pode voltar ao freezer fazendo picolé para o bebê, ou servir em bolas, em cima de uma panqueca, por exemplo! Hmmmm 😋😋

Espero que gostem!

Beijocas

Aline

Como reduzir os riscos de engasgos durante o BLW?

A seguir, compartilho uma série de dicas para diminuir as chances de que seu bebê engasgue durante o BLW. Qualquer dúvidas podem deixar nos comentários que eu tenho o maior prazer de responder! 🙂 Beijocas e bom BLW pra vcs!!

1. O seu bebê deve estar em desenvolvimento normal. É essencial discutir o método com o pediatra antes de iniciar. Bebês prematuros ou com atraso de desenvolvimento costumam estar mais predispostos ao engasgo.

2. Assegure-se de que seu bebê está SENTADO ereto (90 graus) quando ele estiver experimentando alimentos sozinho. Se ele não senta ainda, então o BLW não é indicado (Não importa se a prima da tia da amiga fez e deu certo, NÃO é indicado, e ponto).

3. Absolutamente NUNCA deixe seu bebê sozinho com a comida.

4. Não apresse seu bebê. Permita a ele dirigir o ritmo do que ele está fazendo. Em particular, não fique tentado a “ajudá-lo” colocando coisas em sua boca. No máximo tocar nos lábios pra ele ver que aquele “brinquedo” tem sabor.

5. Não tente “pescar” todos os pedaços grandes que se desprendem dos alimentos. É perigoso acabar empurrando o alimento para as vias aéreas e causar engasgo. Espere que o gag cumpra seu papel.

6. Não ofereça alimentos que são obviamente perigosos, como qualquer tipo de castanha/amendoim. Ofereça cortados na metade alimentos como uvas, tomate cereja e qualquer outros similares. Retire os caroços. Se ficar em dúvida se é perigoso ou não, não ofereça. Confie no seu sexto sentido, evite estresses desnecessários.

7. Se ele tiver o reflexo de gag: aguarde, observe. Dê ao bebê alguns segundos para trazer o pedaço para a frente da boca e expelir.

8. O mesmo com a tosse. Se ele engasgou, estiver tossindo forte, observe, dê ao bebê alguns segundos para recuperar-se. A tosse é também um reflexo de proteção.

9. Durante o engasgo, não dê água ou bata nas costas, pode piorar a situação.

10. Se o bebê estiver com dificuldade aparente (não consegue tossir, respirar, olhos arregalados, vermelhidão no rosto) e vc estiver vendo o alimento dentro da boca, vc pode tentar retirar com o dedo. Caso vc não esteja vendo o alimento, em hipótese nenhuma enfie o seu dedo na boca do bebê, caso contrário vc pode empurrar o alimento para as vias aéreas. A manobra de Heimlich já é indicada. Tire o bebê da cadeira e proceda com a técnica.

11. Na dúvida, consulte um profissional fonoaudiólogo.

 

Orange Appeal!

Referências:

Padovani AR, Medeiros GC, Andrade CRF. Protocolo fonoaudiológico de introdução e transição da alimentação por via oral (PITA). In: Andrade CRF, Limongi SCO (Org). Disfagia: prática baseada em evidências. São Paulo: Sarvier; 2012; p. 74-85.

PADOVANI, Aline Rodrigues, et al. Protocolo Fonoaudiológico de Avaliação do Risco para Disfagia (PARD). Revista da Sociedade Brasileira de Fonoaudiologia [online], 2007, vol. 12, p. 199-205.

Mangilli LD, Moraes DP, Medeiros GC. Protocolo de avaliação fonoaudiológica preliminar. In: Andrade CRF, Limongi SCO (Org). Disfagia: prática baseada em evidências. São Paulo: Sarvier; 2012. p. 45-61.

Baby-led weaning: comendo fora de casa

Quanto a comer fora de casa, a melhor parte do BLW é que vc não precisa se preocupar em levar papinhas, potinhos, pedir pra esquentar e toda a novela de quando se pensa na “comida de bebê”. A maioria dos restaurantes provavelmente irá dispor de algo que ele possa comer com as mãos e, no início, pode ser que seja mais fácil que ele apenas divida o seu prato com você. Se vcs estão pedindo aperitivos para dividir, pense em algo que seja adequado para a idade do bebê (como bruschettas, almôndegas ou pão árabe com húmus por exemplo).

Algumas dicas que podem ajudá-los a ter uma experiência mais agradável:

– leve lencinhos umedecidos anti-bacterianos para garantir a limpeza do antes e depois. Ainda que alguns restaurantes disponham de cadeirão, provavelmente não limpam com a eficiência que você o faria. Ao final, os lencinhos tb são úteis para limpar as mãos e boca do pequeno;

– se ele ainda faz muuuita sujeira, tente levar uma toalha para forrar a cadeira e/ou a mesa. Tem algumas toalhas de mesa impermeáveis no mercado, muito boas;

– deixe ele longe da mesa enquanto a comida não chega. Dar uma volta pelo restaurante vai mantê-lo distraído pra que ele se concentre na refeição apenas na hora em que tudo estiver pronto pra começar;

– sem cadeirinha, é legal que ele sente no seu colo e vc compartilhem a refeição. Quando eles estão acostumados a comer com a mão fica difícil não deixar q ele ponha a mão no seu prato, então tente dar algo na mão dele enquanto vcs dividem a refeição (como um pedaço de pão por exemplo);

– dar a comida do seu prato como exceção, sempre lembrando dos sinais de saciedade e vontade do bebê (às vezes ele não aceita a colher, mas pode aceitar pequenos pedaços c a mão ou com o seu garfo;

– prefira alimentos que fazem menos sujeira, como macarrão sem molho, frango ou carne grelhada, legumes como brócolis, cenoura, batata, chuchu etc. Tente dar um alimento por vez, assim dá tempo de vc recolher o que caiu e não fica uma bagunça geral;

– a maioria dos restaurantes tem um prato de legumes disponível. Se estiver em dúvida, leve alguma comida pronta com vc! Nada de industrializados, em último caso recorra ao leite (materno ou fórmula) e sejam felizes;

– se vc come fora com muita frequência, talvez seja bacana comprar um cadeirote portátil. Eles são dobráveis e adaptam em qualquer cadeira de restaurante;

– leve sempre um brinquedo, ou para crianças maiores, um livro de colorir, por exemplo. Isso vai mantê-lo ocupado caso ele se recuse ou termine rápido, enquanto todos terminam de comer;

– Resista à tentação de insistir que ele prove algo que não queira ou que insista para que coma toda a comida, por mais caro que seja.

Lembrando que essas situações são em casos excepcionais, então não se culpe tanto se não der certo, apenas recorra ao leite (materno ou fórmula) e curta o passeio com sua família!

cropped-12.jpg

imagem cedida pela querida Natalia Fassarela

Beijocas e bom BLW pra vcs!!!

Referência:

Rapley & Murkett. Baby-led weaning: helping Your baby to love good food. Vermilion, 2008.