A Polêmica do Suco de Frutas para Bebês

Az Pratim Orange Juice.

Fonte: Bigstock

 

O suco de frutas tem, historicamente, uma participação importante na alimentação infantil, tendo sido usado por pediatras como uma forma de oferecer maiores quantidades de vitamina C e líquidos ao bebê e crianças pequenas, devido à sua boa aceitação. Entretanto, há relatos de associação entre o consumo excessivo de suco e falha de crescimento, baixa estatura e obesidade, embora esses achados ainda precisem ser confirmados por mais estudos. A teoria de que o consumo de sucos naturais sem adição de açúcar possa causa sobrepeso em crianças ainda é controversa.

Auerbach e colaboradores (2017), em um estudo de meta análise recente (meta análise é um tipo de pesquisa em que se avalia estatisticamente os resultados de vários estudos publicados na literatura) encontraram um pequeno aumento de peso entre crianças menores de 6 anos que consumiam sucos, mas este resultado não teve uma relevância clínica à níveis individuais. Crianças entre 1 e 2 anos parecem estar mais suscetíveis ao aumento de peso. O tipo de suco consumido parece ter relação com o aumento de peso. Nos EUA, crianças menores que tendem a consumir mais suco de maçã possuem um aumento de IMC mais significativo do que as mais velhas, que dão preferência para suco de laranja em geral. Isso tem relação com a carga glicêmica dos sucos. O suco de maçã possui uma concentração maior de açúcar do que o suco de laranja.

Em um documento publicado agora em 2017, a Academia Americana de Pediatria limita o consumo de sucos na infância sob algumas justificativas que vou resumir aqui:

  1. Sucos de fruta não oferecem nenhum benefício nutricional para bebês menores de 1 ano de idade.
  2. Sucos de frutas não oferecem nenhum benefício nutricional em relação às frutas para bebês ou crianças e não desempenham papel essencial em uma dieta saudável e equilibrada.
  3. Sucos naturais sem adição de açúcar podem ser incluídos moderadamente como parte de uma dieta equilibrada em maiores de 1 ano, mas sucos industrializados não são equivalentes e não deveriam ser oferecidos.
  4. Sucos possuem um alto teor de carboidratos com baixo conteúdo de proteína, gordura e algumas vitaminas e minerais. Quando seu consumo é excessivo acabam reduzindo a ingestão de outros alimentos mais completos e podem contribuir para má nutrição, sendo associados algumas vezes com ocorrência de baixa estatura.
  5. O consumo de sucos, especialmente quando oferecidos na mamadeira, está relacionado ao aumento da ocorrência de cárie dentária, devido ao seu maior conteúdo de carboidrato.
  6. Seu consumo excessivo pode provocar diarreia, flatulência excessiva, gases e dores abdominais.

Segundo o Ministério da Saúde (2013), os sucos não devem ser utilizados como uma refeição ou lanche, por conterem menor densidade energética que a fruta em pedaços, especialmente durante a introdução alimentar, uma vez que a capacidade gástrica dos bebês é pequena. A Academia Americana de Pediatria recomenda que não mais que metade das porções de frutas recomendadas para crianças venham dos sucos, o que significa aproximadamente 120 a 180 ml ao dia para crianças de 1 a 6 anos e 240 a 350 ml ao dia para crianças acima de 7 anos. Bebês com menos de 1 ano não devem consumir sucos.

Do meu ponto de vista, como nutricionista, o motivo principal para contraindicar os sucos diz respeito à formação de hábito. E quanto mais cedo o suco é introduzido na vida da criança, mais ele vai estar enraizado em seu dia a dia. E eu vejo aí três problemas:

  1. Conforme a criança cresce, sua preferência por suco tende a aumentar (afinal ele é docinho e fácil de ingerir) e ela pede cada vez mais, tornando difícil controlar as quantidades.
  2. Há uma possibilidade grande dessa criança passar a preferir o suco à fruta, diminuindo consideravelmente seu consumo (quantas crianças não conhecemos que bebem muito suco e não comem nenhuma fruta?).
  3. Fora isso, à medida que a criança pede mais suco, vai ficando mais difícil para essa família manter o consumo de sucos naturais – quem tem tempo, não é verdade? – E o industrializado pode ir ganhando espaço.

 

É obvio que o suco não deve ser proibido, afinal, já vimos acima que ele pode fazer parte de uma dieta saudável e equilibrada em quantidades moderadas. Mas podemos deixar esse suco para ocasiões pontuais, evitando incluir no dia a dia da criança.

Portanto, o que eu tenho recomendado na minha prática profissional é priorizar o consumo das frutas, ao invés do suco, e não oferecer para menores de 1 ano. Após o primeiro aniversário, não incluí-lo na rotina alimentar, embora não exista problema em oferecer quando a criança estiver em uma festa ou num almoço em um restaurante, ou eventualmente num café da manhã mais caprichado do final de semana, quando toda a família consegue sentar-se junta e com mais tempo à mesa.

 

Michelle BentoNutricionista formada pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) em 2008, pós graduada em nutrição clínica funcional pelo Instituto Valéria Pascoal. Atua em consultório e como personal (2)

Referências

Brandon J. Auerbach; Fred M. Wolf; Abigail Hikida; Petra Vallila-Buchman; Alyson Littman; Douglas Thompson; Diana Louden; Daniel R. Taber; James Krieger. Fruit Juice and Change in BMI: A Meta-analysis. PEDIATRICS Volume 139, number 4, April 2017.

Cristina M. G. Monte1, Elsa R. J. Giugliani. Recomendações para alimentação complementar
da criança em aleitamento materno. Jornal de Pediatria – Vol. 80, Nº5(supl), pag. S131- S141, 2004.

Ministério da saúde. Guia alimentar para crianças menores de dois anos. Um guia para o profissional da saúde na atenção básica. Brasília – DF, 2013.

É necessário adiantar a introdução alimentar se a mãe volta ao trabalho (aos 4 meses)?

por Michelle Bento, Nutricionista

dreamstime_xl_75082612.jpg

Já é amplamente conhecido que a atual recomendação dos principais órgãos de saúde mundiais é iniciar a alimentação sólida aos 6 meses de idade.

Na prática, ainda é muito frequente que se inicie antes disso, entre os 4 e 6 meses de idade. Às vezes devido ao retorno da mãe ao trabalho, que dificulta a manutenção da livre demanda, outras vezes por indicação do pediatra. Algumas famílias se mostram ansiosas para ver o bebê comer outros alimentos e acreditam que o mesmo já está pronto para receber comida sólida.

Então vamos entender agora quais são as vantagens em se manter o aleitamento exclusivo até o sexto mês e de que forma podemos organizar a rotina da dupla mãe-bebê para aumentar as chances de atingir essa meta.

É completo

O leite materno é naturalmente o primeiro de alimento de escolha para bebês, sendo capaz de fornecer toda energia e nutrientes necessários para o crescimento e desenvolvimento adequados nos primeiros meses de vida. Além dos nutrientes adequados, o leite materno contém anticorpos que ajudam a proteger o bebê contra doenças comuns na infância, incluindo pneumonia e diarreia.

É prático

Verdade seja dita. É muito mais fácil e rápido oferecer o seio (ou até fazer a diluição da fórmula) do que se organizar – com um bebê pequeno e às vezes com mais outra(s) criança(s) mais velha(s)-  para preparar e oferecer a comida do bebê. O leite materno é um alimento completo, gratuito, livre de bactérias prejudiciais e pronto para consumo sempre que seu filho(a) precisar.

Reduz o risco de infecções

As evidências científicas mostram que não há nenhum benefício em fazer a introdução de alimentos complementares entre os 4 e 6 meses de idade. Em contrapartida, o aleitamento materno exclusivo até os 6 meses diminui significativamente o risco de infecções gastrointestinais e doenças respiratórias, contribuindo para redução das taxas de mortalidade infantil, sem que haja nenhum déficit de crescimento. Mesmo no caso do aleitamento por fórmula, a manipulação para preparar a diluição do pó é bem menor do que para fazer o preparo da comida, sendo mais fácil fazer um controle higiênico afim de evitar uma toxinfecção alimentar.

Traz vantagens para a mãe

Aumentar o tempo de amamentação exclusiva também apresenta outras vantagens: contribui para recuperação do peso pré-gestacional, pode prolongar o tempo que a mãe permanece sem menstruar e vem havendo um aumento nas evidências de que o risco de desenvolver câncer de mama e ovários é menor em mulheres que amamentaram.

 

Tudo bem, já vimos que existem boas vantagens em manter o aleitamento materno exclusivo até os 6 meses.

Mas concordamos que a realidade do mercado de trabalho não permite que boa parte das mães seja capaz de estar 100% disponível para aplicar a livre demanda e garantir a nutrição do bebê somente com leite materno até os 6 meses. Nesses casos, o que fazer?

A ordenha e armazenamento do leite pode ser realizada por aquelas mães que consigam retirar quantidades expressivas de leite através da bomba ou da ordenha manual.

 

Para aumentar o sucesso da ordenha, algumas dicas são importantes:

– Embora o Ministério da Saúde recomende que o leite materno não pasteurizado seja armazenado em freezer ou congelador por no máximo 15 dias, a ABM (The Academy of Breastfeeding Medicine) utiliza protocolos de tempo e temperatura seguros mais flexíveis, conforme quadro abaixo:

 

Local Temperatura Duração
Temperatura ambiente Até no máximo 25°C. acima disso, armazenamento em temperatura ambiente não é adequado. 6 a 8 horas
Refrigerador < 4°C. estoque o leite no fundo da geladeira, onde a temperatura é mais baixa. Até 5 dias
Freezer com compartimento localizado dentro do refrigerador

 

-15°C 2 semanas
Freezer com porta separada do refrigerador -18°C 3 a 6 meses

 

– Para fazer seu estoque antes da volta ao trabalho, procure fazer a ordenha em local tranquilo e sempre antes que o bebê venha ao seio, aumentando a chance de retirar quantidades expressivas de leite. Fazer a ordenha no primeiro horário da manhã costuma ajudar, uma vez que, em geral, o bebê mama menos na madrugada.

– Higienize as mãos e o local onde será realizada a ordenha e prenda os cabelos. Utilize recipientes de vidro com tampa plástica ou potes plásticos específicos para coleta de leite. Esse material deverá estar esterilizado.

– Se a mãe não conseguir retirar uma boa quantidade de leite através da ordenha, poderá tentar retirar o leite várias vezes no dia, juntando em um mesmo compartimento na geladeira. No final do dia, esse compartimento deve ser transferido para o congelador ou freezer.

– Os potes usados para armazenamento devem ser datados. Utilize sempre primeiro aquele que foi colhido antes.

– Caso haja um local disponível para ordenha e armazenamento no trabalho, o leite extraído na ausência do bebê poderá ser aproveitado. O ideal seria realizar de 2 a 4 ordenhas no período de ausência. No final do dia, o leite armazenado na geladeira ou freezer deverá ser imediatamente colocado em uma bolsa térmica com placas de gelo na lateral interna da bolsa. Esse leite deverá ser colocado no congelador ou freezer assim que chegar em casa.

-Caso não seja possível realizar a ordenha no trabalho, a mãe poderá tentar retirar leite assim que chegar em casa, antes que o bebê venha ao seio.

 

Oferta do leite materno

Preferencialmente, o leite ordenhado deverá ser oferecido ao bebê em copinho aberto ou copo de transição com bico rígido e sem válvula de controle de fluxo. O uso de mamadeiras é associado interrupção precoce do aleitamento materno, mesmo quando seu uso é iniciado após o estabelecimento da amamentação.

O leite deve ser transferido do congelador ou freezer para a geladeira com 12 horas de antecedência para fazer o descongelamento. Caso não seja possível, o leite pode ser retirado do freezer diretamente para ser aquecido, sendo descongelado no banho-maria.

Para aquecer ou descongelar o leite, aqueça a água em uma panela até ferver e desligue a chama do fogão. Coloque o recipiente com o leite dentro da água, agitando até que o leite seja reconstituído. O leite materno não deve ser fervido e nem aquecido em micro ondas. O leite descongelado não pode ser recongelado e o leite aquecido não poderá ser reaproveitado.

Na impossibilidade de fazer e manter a ordenha de leite materno, o melhor momento e a melhor forma para introdução dos alimentos sólidos deverá ser avaliada com um profissional de saúde capacitado.

 

Michelle BentoNutricionista formada pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) em 2008, pós graduada em nutrição clínica funcional pelo Instituto Valéria Pascoal. Atua em consultório e como personal (2)

Referências bibliográficas

 WHO. The Optimal Duration of Exclusive Breastfeeding: A Systematic Review WHO/NHD/01.08 (2002)

WHO. Infant and young child feeding: model chapter for textbooks for medical students and allied health professionals. Geneva: World Health Organization; 2009.

Academy of Breastfeeding Medicine. (2004) Clinical Protocol Number #8: Human Milk Storage Information for Home Use for Healthy Full Term Infants. Princeton Junction, New Jersey: Academy of Breastfeeding Medicine.

 

2-5

11 lições que eu aprendi com Carlos Gonzales

Capturar

Terminei de ler o livro “Meu Filho Não Come”, do pediatra espanhol Carlos Gonzales (editora Timo).

De fácil leitura, cheio de obviedades, referências científicas e também de visões pessoais e experiências do médico com o assunto.

Eu grifei algumas partes em especial e fiz algumas anotações interessantes que gostaria de dividir com vocês!

 

 

1- Leite materno é VIDA! É tão completo que uma pessoa sobreviveria anos, bem-nutrida, tomando apenas leite materno. As pessoas não continuam tomando leite materno porque simplesmente não lhe dariam hahah

 

2- A livre demanda durante a amamentação exclusiva não deveria nunca ser repensada (salvo casos excepcionais). Durante o período de amamentação exclusiva, o peito é a única fonte de hidratação e nutrição do bebê. Nesse caso, negar o peito porque ainda não deu o horário é como negar água à uma pessoa com sede ou comida à uma pessoa com fome.

 

3- É possível oferecer leite de fórmula em livre demanda também. Apenas experimente não se frustrar quando ele não bebe uma mamadeira inteira, já é um primeiro passo!

 

4- Em uma análise histórica, nota-se que o problema “a criança não come” foi criado por uma demanda da própria pediatria que, cada vez mais, passou a considerar datas cada vez mais precoces, e pré-determinar horários e quantidades pra criança comer.

 

5- Muitas vezes, “meu filho não come” começa ainda durante a amamentação. E o “problema” (que Gonzales nota que na maioria das vezes de fato não é um problema), vai se arrastando até a introdução alimentar. Dali por diante só piora.

 

6- Naturalmente, o problema “meu filho não come” acaba surgindo do desequilíbrio entre o que a criança come e o que o adulto espera que ela coma.

 

7- Não existe uma técnica milagrosa para a criança comer. Ou ela é saudável e não está com fome, ou tem alguma doença que deve ser investigada e tratada. E então, a partir do tratamento da CAUSA, pode ser que a criança coma mais. Ou não. Pode ser que ela continue comendo pouco, mas se desenvolva normalmente.

 

8- Não importa com qual alimento começar a introdução alimentar, não há bases científicas para recomendar um ou outro.

 

9- Forçar a comer é desumano. Coloque-se no lugar na criança, mesmo sem ser criança. Ninguém em sã consciência se vê em uma situação fazendo cena pra não comer quando se tem vontade.

 

10- Um experimento que vai mudar sua vida (se o seu filho é saudável, mas não come):

  1. Pese seu filho em uma balança
  2. Não o obrigue a comer
  3. Volte a pesá-lo depois de um tempo
  4. Se ele não tiver perdido 1 kg, continue sem obrigá-lo a comer e volte ao passo 2
  5. Se ele tiver perdido 1kg o experimento acabou. (leve-o a um especialista – essa parte é por minha conta rs)

 

11- Dois conselhos pra vida:

  1. Não obrigue uma criança a comer
  2. Não obrigue jamais, por nenhum método, sob nenhuma circunstância, por nenhum motivo uma criança a comer.

 

Se tiverem a oportunidade, leiam! Fácil e agradável leitura! Esta à venda no site da Editora Timo, da minha querida amiga Ana Basaglia! ❤

Beijão!

Aline

 

face-ads-2

Prontidão para a introdução alimentar: meu olhar de mãe

20170316_115120.jpg

 

Joaquim está a 10 dias para fazer 6 meses. Mas tenho refletido muito sobre prontidão por aqui. Fiz algumas enquetes no facebook  e foi muito rico observar a diversidade de respostas, cada contexto cheio de carga afetiva e da certeza do que o momento pedia… Dá uma olhada  AQUI e AQUI.

 

Leia mais: Por que esperar até os seis meses (ou muito próximo disso)?

 

Seu movimento é todo em direção à comida. Ele se joga pra conseguir beber a água do meu copo. Há 20 dias mais ou menos começou a sentar sem apoio e tudo se intensificou! Foi tão nítido!!! Apesar da gente estar à procura constante de regras, sabe o conselho que eu queria deixar?

 

CONECTE-SE.

 

Amamentar é um processo de conexão e de vínculo com seu bebê e com seu próprio corpo.

Alimentar de outras formas senão o peito é um processo de conexão diferente e uma forma muito intensa de se comunicar sem palavras com seu bebê.

É compreender o que o momento pede, seja assistindo com a colher, seja deixando ele pegar com as próprias mãos, seja dividindo o alimento que te nutre, apenas passando nos lábios do bebê pra que ele sinta o gostinho do que ele está vendo você comer.

Isso é Introdução Alimentar ParticipATIVA.

 

 

É estar atento, e respeitar – você e ele – ao mesmo tempo. Serem felizes na descoberta, sem preocupações.

Essa não foi a primeira vez que o babyQuim experimentou algo. Há 1 semana mais ou menos que ele está dando óbvias pistas de que chegou a hora de se nutrir de outras fontes.

E, pouco a pouco, vou lhe dando oportunidades.

Nada formal, de hora marcada. Data de início, horário certo, comida escolhida à dedo, quantidade pré-estabelecida.

 

Não, nada disso.

 

Desde que ele começou a sentar, levo ele junto à mesa. Bebo água com ele no meu colo.
A partir dessa oportunidade, ele me mostra o caminho.

Isso também é BLW.

Mas por aqui vamos chamar de Introdução Alimentar ParticipATIVA.

O conceito é diferente e, ao meu ver, bem mais abrangente. Então é assim que vamos seguir em frente.

 

Vem com a gente?

 

Leia Mais: O conceito de Introdução Alimentar Participativa (IA ParticipATIVA)

Leia Mais: Os 20 passos para a Introdução Alimentar ParticipATIVA – #IAparticipATIVA

 

 

 


face-ads-2

O BLW é o melhor método de introdução alimentar?

por Michelle Bento

dreamstime_xl_72945799

Essa semana me deparei novamente com a seguinte pergunta no facebook: “Existem estudos que comprovem que o BLW é o melhor método de introdução alimentar?”

Acompanhando a pergunta, pessoas a favor do BLW discutiam a ausência de pesquisas e sobre como argumentar com aqueles que pediam as evidências que comprovem todos os seus benefícios. E esse mesmo tipo de discussão eu já vi acontecer tantas outras vezes, incluindo outros assuntos também relacionados à maternidade.

Eu começo ponderando o título de “melhor” concedido ao BLW. A grande questão aqui não é querer convencer a todos de que o blw é melhor. Afinal, não existe UM melhor. O ponto aqui é mostrar que na verdade o que vem sendo feito tradicionalmente é que está péssimo! É levantar uma discussão sobre como podemos melhorar esse cenário adaptando esses conceitos difundidos através do baby-led weaning à realidade de cada família.

 

Leia mais: Os benefícios da Introdução Alimentar ParticipATIVA

 

E para várias premissas dos BLW existe sim base científica. E eu reuni aqui algumas delas.

Já está mais do que claro que a idade ideal para iniciar a alimentação complementar é aos 6 meses, não antes disso. Segundo a Sociedade Brasileira de Pediatria, “é apenas a partir dos 6 meses de idade que as necessidades nutricionais do lactente não podem ser supridas apenas pelo leite humano. Também é a partir dessa idade que a maioria das crianças atinge um estágio de desenvolvimento geral e neurológico (mastigação, deglutição, digestão e excreção) que a habilita a receber outros alimentos que não o leite materno”. O bebê de 6 meses tem uma capacidade motora completamente diferente do bebê de 4 meses, idade em que se recomendava (ou se recomenda, pois infelizmente ainda é muito comum ver profissionais fazendo essa indicação) iniciar os alimentos sólidos.

O quadro a seguir mostra como o leite materno se mantém como principal fonte de energia durante os primeiros meses de introdução alimentar, sendo ultrapassado pelos alimentos somente entre 12 e 24 meses. Como o BLW é centrado na auto-alimentação e no início as habilidades motoras limitadas dificultam a ingestão de grande quantidade de alimentos, existe um medo grande por parte de pais e profissionais de que o bebê não vá receber tudo o que precisa. Entender que a transição do leite para o alimento sólido deve ser bem gradativa é fundamental para diminuir as expectativas em relação às quantidades que o bebe vai comer nas primeiras ofertas de comida, evitando frustrações que geram o ciclo de recusa alimentar da criança.

 

tabela-1

Leia Mais: Recusa, controle e distúrbios alimentares: o efeito bola de neve

 

“Crianças amamentadas desenvolvem muito cedo a capacidade de autocontrole sobre a ingestão de alimentos, de acordo com as suas necessidades, pelo aprendizado da saciedade e pela sensação fisiológica da fome durante o período de jejum. Mais tarde, dependendo dos alimentos e da forma como lhe são oferecidos, também desenvolvem o autocontrole sobre a seleção dos alimentos. E esse autocontrole sofrerá influência de outros fatores como o cultural e social. A prática das mães/pais ou dos profissionais de saúde que adotam esquemas rígidos de alimentação prejudica o adequado desenvolvimento do autocontrole da ingestão alimentar pela criança”.

Esse trecho foi retirado do Guia Alimentar Para Menores de 2 Anos do Ministério da Saúde, reforçando que o bebê é capaz de determinar sozinho a quantidade de alimentos que deve ingerir, através da sua auto regulação de fome-saciedade. O papel dos cuidadores é somente dar oportunidade, através da oferta de alimentos saudáveis e variados. Cabe ao bebê dizer o que e o quanto deseja comer.

A Organização Mundial de Saúde recomenda a “prática da alimentação responsiva, que usa os princípios de cuidados psicossociais ao se alimentar a criança. A prática inclui o respeito ao mecanismo fisiológico de auto-regulação do apetite da criança, ajudando-a a se alimentar até estar saciada, e requer sensibilidade da mãe/cuidador às indicações de fome e de saciedade da criança. Recomenda-se alimentar a criança lenta e pacientemente até que ela se sacie, jamais forçando-a a comer. As refeições devem ser prazerosas, com troca amorosa entre a criança quem a está alimentando, por meio de contato visual, toques, sorrisos e conversa. Se a criança recusar muitos alimentos, pode-se experimentar diferentes combinações, sabores, texturas e métodos de encorajamento não-coercitivos e que não distraiam a criança da refeição. Há evidências de que o estilo mais ativo de alimentar a criança melhora a ingestão de alimentos e o seu estado nutricional, bem como seu crescimento”.

Corroborando isso, um estudo bem recente, publicado agora no início do ano mostra que a alimentação responsiva é associada com melhores hábitos alimentares e uma melhor auto regulação de ingestão energética. Pais que utilizaram práticas alimentares não responsivas e não forneceram uma estrutura de alimentação adequada (tempo, local adequado e envolvimento familiar) relataram maiores dificuldades para que a criança comesse. Ao contrário, as famílias que usavam menos as práticas não responsivas e ofereciam melhor estrutura, relatavam que as crianças aproveitavam mais as refeições e não tinham dificuldade para comer.

Sobre o medo do bebê possa engasgar ao se auto-alimentar, um estudo conduzido por Fangupo e colaboradores (2016) acompanhou mais de 180 famílias divididas entre aquelas que praticavam a auto-alimentação e aquelas que ofereciam a alimentação na colher e concluiu que, desde que se forneça orientação adequada, bebês seguindo a abordagem BLISS (baby-led introduction to solids) não parecem estar sob maior risco de engasgo do que aqueles que seguindo uma prática mais tradicional. Na verdade, em ambos os grupos foram oferecidos alimentos potencialmente perigosos, o que significa que é preciso orientar muito bem os cuidadores a respeito de práticas seguras de alimentação, não importando a abordagem que será empregada.

 

Leia Mais: Prevenindo o engasgo: a escolha do adulto faz toda a diferença

 

É claro que ainda existem questões não respondidas, como a ingestão adequada de micronutrientes, por exemplo. E para isso precisamos de mais estudos específicos com o BLW. Mas já temos o suficiente para mudar as práticas tradicionais e estimular a participação ativa do bebê no processo de introdução alimentar. Então vamos nos unir para incentivar esse tipo de abordagem mesmo que para algumas famílias o BLW não se encaixe. Dá pra fazer muito bem às nossas crianças ainda que elas não comam sozinhas os alimentos inteiros desde o começo. Basta apresentá-los na textura adequada, separados, com calma e respeitando as escolhas do bebê no que diz respeito à o que, quando e em que quantidade ele quer comer.

 

Leia Mais: O conceito de Introdução Alimentar Participativa (IA ParticipATIVA)

Leia Mais: Os 20 passos para a Introdução Alimentar ParticipATIVA – #IAparticipATIVA

 

 

Michelle BentoNutricionista formada pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) em 2008, pós graduada em nutrição clínica funcional pelo Instituto Valéria Pascoal. Atua em consultório e como personal (2)

 

Referências:

MONTE, Cristina M. G.; GIUGLIANI, Elsa, R. J. Recomendações para alimentação complementar da criança em aleitamento materno. Jornal de Pediatria, Rio de Janeiro, v. 80, p. 131-141, 2004. Suplemento.

DEWEY, KATHRYN G.; BROWN, Kenneth H. Update on technical issues concerning complementary feeding of young children in developing countries and implications for intervention programs. Food and Nutrition Bulletin, v. 24, n.1, p. 5-28, 2003.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Dez passos para uma alimentação saudável: guia alimentar para crianças menores de dois anos : um guia para o profissional da saúde na atenção básica / Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Atenção Básica. – 2 ed. – 2 reimpr. – Brasília : Ministério da Saúde, 2013. 72p.

MONTE, C. M.; GIUGLIANI, E. R. Recommendations for the complementary feeding of the breastfed child. Jornal de Pediatria, v. 80, n.5, S131-S141, 2004.

FINNANE, J. M.; JANSEN, E.; MALLAN, K. M.; DANIELS, L.A. Mealtime Structure and responsive feeding practices are associated with lesse food fussiness and more food enjoyment in children. Journal of Nutrition Education and Behavior. V. 49, N.1, 2017.

FANGUPO, L. J.; HEATH, A. M.; WILLIAMS S. M.; et al. A Baby-Led Approach to Eating Solids and Risk of Choking. Pediatrics. 138(4), 2016.

 

face-ads-2

Introdução alimentar vegetariana: garantindo os nutrientes adequados

20160612_143844

por Michelle Bento, Nutricionista.

 

O vegetarianismo vem apresentando um enorme crescimento em popularidade nos últimos anos e, com isso, tem sido mais comum encontrar famílias que decidem por não oferecer carnes ou produtos de origem animal para seus filhos desde o início da alimentação complementar.

Uma dieta vegetariana bem planejada é considerada adequada para todos os estágios de vida. Entretanto, os pais precisam estar bem informados acerca das recomendações necessárias para garantir crescimento e desenvolvimentos satisfatórios. Os nutrientes-chave cuja adequação deverá ser monitorada incluem vitamina B12, vitamina D, cálcio, ferro, zinco e ácidos graxos ômega-3.

As dietas vegetarianas podem ser definidas como aquelas em que há exclusão de todos os tipos de carne (bovina, suína, de frango, de peixe e frutos do mar), mas pode haver consumo de ovos e/ou leite e derivados. Na dieta vegana há exclusão de todos os produtos de origem animal, incluindo ovos e lácteos. Nesse caso, por se tratar de uma dieta mais restritiva, a suplementação poderá ser necessária, devendo ser avaliada por um nutricionista.

 

VITAMINA B12

É encontrada naturalmente e em quantidades suficientes somente em alimentos de origem animal. Os níveis de B12 no leite materno podem variar de acordo com a ingestão da mãe e seus estoques da vitamina. Portanto, no caso de crianças amamentadas, a alimentação da mãe deverá será avaliada e a suplementação poderá ser indicada.

O ovo será a principal fonte de vitamina B12 durante o início da alimentação complementar e o momento ideal de introdução de laticínios deverá ser avaliado. No caso de dietas veganas, a suplementação desta vitamina se fará necessária.

 

ÁCIDOS GRAXOS ÔMEGA-3

O DHA (ácido docohexanoico) é importante para o desenvolvimento do cérebro e visão do bebê. Dietas vegetarianas contém pouco ou nenhum DHA, mas é possível fazer a conversão de outro tipo de ômega-3, o ALA (ácido alfa-linolênico), em DHA no organismo. Fontes de ALA incluem semente de linhaça e de chia e nozes. Algumas famílias optam por oferecer o peixe eventualmente, o que garante a ingestão regular de DHA.

O conteúdo de DHA do leite materno também pode ser influenciado pela ingestão da mãe e sua dieta deverá ser avaliada. O uso de suplementos de DHA produzidos a partir de algas por mães vegetarianas que amamentam poderá ser avaliado por um nutricionista.

 

ZINCO E FERRO

Ferro e zinco são encontrados em baixa quantidade no leite materno, embora tenham alta biodisponibilidade, sendo muito bem absorvidos. O leite materno consegue suprir as necessidades destes dois nutrientes nos primeiros 6 meses de vida, mas a partir de então os alimentos complementares são necessário para atingir a recomendação.

O zinco é encontrado principalmente na carne, no peixe e no frango, alem de leite e seus derivados. Vegetarianos podem obter zinco dos derivados do leite, cereais integrais, leguminosas, castanhas e sementes. Já o ferro pode ser encontrado na natureza em duas formas, o ferro heme e o ferro não-heme. O ferro heme está presente nas carnes de forma geral e possui uma alta taxa de absorção e o ferro não-heme, presente tanto nas fontes vegetais (folhosos verde escuros e leguminosas) como nas fontes animais, é geralmente muito menos bem absorvido e necessita que haja um bom balanço entre os fatores que inibem e os que melhoram a absorção do ferro pelo intestino.

Dietas vegetarianas, em geral, apresentam maior teor de fitatos, anti-nutriente presente em cereais integrais, vegetais, sementes, leguminosas e castanhas, que se liga ao ferro e zinco e reduz sua absorção. É possível reduzir o conteúdo de fitato dos alimentos através da técnica do remolho, que consiste em deixar os grão de molho em água por 12 horas, descartando essa água antes do cozimento.

Para melhorar a absorção de ferro, uma fonte de vitamina C pode ser incluída junto às refeições principais, onde há maior oferta deste nutriente: laranja, limão, abacaxi, morango, kiwi, entre outros.

Em países como Estados Unidos, Austrália e Inglaterra, é comum iniciar a alimentação complementar com cereais infantis fortificados com ferro. Porém, esse tipo de alimento não está disponível no Brasil e a recomendação por aqui é introduzir a carne desde o princípio. Para crianças vegetarianas, portanto, será necessário avaliar cuidadosamente a oferta de ferro e zinco, bem como fatores que possam influenciar a absorção. Na tabela 1 está uma lista de alimentos fonte de ferro e zinco para bebês.

 

Tabela 1: Fontes de ferro e zinco para vegetarianos

Alimento Ferro (mg) Zinco (mg)
Gérmen de trigo tostado, ¼ de xícara, cozido 0,7 1,3
Feijão fradinho, ¼ de xícara 1,1 0,6
Grão de bico, ¼ de xícara 1,2 0,6
Hummus tahine, ¼ de xícara 1,5 1,1
Lentilha, ¼ de xícara 1,6 0,6
Grãos de soja, ¼ de xícara 2,2 0,5
Tempeh, ¼ de xícara 0,8 0,6
Tofu firme, ¼ de xícara 1,7 1,0
Tahine, 1 colher de sopa 1,3 0,7
Ovo, 1 unidade 0,6 0,5
Iogurte, ¼ de xícara 0,04 0,4
Brócolis cozido, ¼ de xícara 0,3 0,2
Ervilhas cozidas, ¼ de xícara 0,6 0,5
Espinafre cozido, ¼ de xícara 1,6 0,3

Adaptado de Mangels, R. 2012.

 

Apesar de haver ainda poucos dados na literatura comparando crianças vegetarianas com onívoras, uma dieta vegetariana bem planejada parece fornecer ferro e zinco em quantidades adequadas. Entretanto, naqueles que seguem uma dieta mais restritiva, como é o caso da dieta vegana, deverá haver uma monitorização do status de ferro e zinco, com inclusão de suplementação se necessário.

 

Tabela 2: resumo das recomendações

Nutriente Alimentos fonte Considerações especiais
Cálcio Leite de vaca/iogurte/queijos

Folhas verde escuras

Tofu enriquecido com cálcio

O ácido oxálico, presente em vegetais como espinafre e beterraba, se liga no cálcio e reduz sua absorção

 

Ferro Feijões e outras leguminosas

Vegetais verde escuros

Gema de ovo

 

Dietas vegetarianas contém somente ferro não-heme, cuja absorção não é tão boa quanto do ferro heme. Por isso, a recomendação de ferro para vegetarianos é 1,8 vezes maior do que para não vegetarianos. Associar alimentos ricos em ferro com uma fonte de vitamina C pode promover melhor absorção de ferro não heme. Cálcio, taninos e fitatos reduzem a absorção de ferro. Suplementos de cálcio deverão ser administrados longe das refeições principais, que são ricas em ferro

 

Zinco Leguminosas (feijões, lentilha, grão-de-bico, ervilha)

Cereais integrais

Frutos oleaginosos e sementes

Tofu, tempeh

 

A absorção de zinco também pode ser reduzida pela presença de fitatos, encontrados em frutos oleaginosos, cereais integrais e produtos a base de soja. Alguns produtos de soja fermentados como tempeh e missô possuem teores menores de fitatos

 

Vitamina B12 Leite de vaca/iogurte

Alimentos enriquecidos com vitamina B12

Ovos

Se os alimentos enriquecidos com vitamina B12 não estiverem disponíveis na base da alimentação da criança, o suplemento de B12 será necessário

 

Vitamina D Produtos derivados de leite fortificados com vitamina D A principal forma de obtenção da vitamina D é através da exposição solar. Um suplemento de vitamina D pode ser necessário

 

Ácidos graxos ômega-3 Farinha de linhaça

Óleo de linhaça

Chia

Nozes

Ovos enriquecidos com ômega-3

 

Fontes vegetais de ômega-3 estão na forma de ALA. Quantidades limitadas de DHA podem ser sintetizadas a partir de ALA.

Adaptado de Mangels, R. 2012.

 

Michelle BentoNutricionista formada pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) em 2008, pós graduada em nutrição clínica funcional pelo Instituto Valéria Pascoal. Atua em consultório e como personal (2)

Bibliografia

Mangels, R.; Driggers, J. The Youngest Vegetarian. Vegetarian Infants and Toddlers. Childhood Obesity and Nutrition. v. 4, n. 1, p. 8-20, 2012.

Foster, M.; Samman, S. Vegetarian Diets Across the Lifecycle: Impact on Zinc Intake and Status. Advances in Food and Nutrition Research, v. 74, p. 93-131, 2015.

Gibson, R. S.; Heath, A. M.; Szymlek-Gay, E. A. Is Iron and Zinc Nutrition a Concern for Vegetarian Infants and Young Children in Industrialized Countries? The American Journal of Clinical Nutrition. V. 100, s.1, 2014.

 

face-ads-2

Garantindo energia e ferro para o bebê no BLW

Devido ao número limitado de estudos sobre o BLW, ainda há uma grande preocupação por parte de alguns órgãos e profissionais de saúde quanto à segurança de que o bebê estará ingerindo alimento suficiente para atender suas demandas, em especial de energia e ferro, garantindo um adequado crescimento e desenvolvimento.

Até o momento, nenhum estudo avaliou a adequação na ingestão alimentar de bebês seguindo o método. Aparentemente, muitos pais preferem oferecer verduras e frutas no início da introdução alimentar através do BLW, inclusive pela facilidade em adaptar esses alimentos ao formato necessário para a auto alimentação.  Em contrapartida, a OMS – Organização Mundial da Saúde recomenda que as carnes sejam oferecidas desde o princípio da alimentação complementar, uma vez que são a melhor fonte de ferro e zinco na dieta das crianças.

nick

Pensando nas questões acima, Cameron e colaboradores desenvolveram uma versão modificada do BLW, chamada Baby-Led Introduction to Solids (BLISS), que em tradução livre significa introdução aos sólidos guiada pelo bebê. No BLISS, o bebê continua no controle da sua introdução alimentar, através do auto alimentação, porém os pais recebem orientações específicas para atingir as necessidades energéticas, evitar deficiência de ferro e diminuir o risco de engasgo.

 

As características essenciais do BLISS são:

  • Oferecer alimentos que o bebê possa agarrar e levar à boca sozinho, de acordo com o que recomenda o BLW;
  • Oferecer um alimento rico em ferro em cada refeição;
  • Oferecer um alimento energético em cada refeição;
  • Oferecer alimentos apropriados para o desenvolvimento do bebê de acordo com a idade, reduzindo o risco de engasgo e evitar oferecer alimentos listados como de alto risco para engasgo.

 

O que significa isso em termos práticos, adaptando para a realidade brasileira?

No quadro abaixo está um resumo de recomendações para atingir a proposta do BLISS, com adição de mais algumas informações importantes para aumentar a biodisponibilidade do ferro e para garantir refeições de boa densidade calórica, evitando falhas no crescimento e desenvolvimento do bebê.

 

Objetivo da recomendação Recomendações específicas aos cuidadores
Aumentar a ingestão de alimentos ricos em ferro – Ofereça um alimento rico em ferro de alta disponibilidade em cada refeição, entre eles: fígado, carne vermelha, frango, porco e peixe

– Ofereça com regularidade os alimentos ricos em ferro de média e baixa disponibilidade: vegetais verde escuros, feijões, grão de bico (incluindo pasta de grão de bico), lentilha

-Utilize receitas para oferecer com segurança os alimentos que o bebê não consegue agarrar no princípio (vegetais folhosos, por exemplo)

– Não atrase a introdução alimentar para além dos 6 meses de idade

Melhorar a absorção de ferro – Deixe os grãos integrais (arroz integral, feijões, grão de bico, lentilha) de molho em água com limão por 12 horas, descartando a água do remolho antes de cozinhar

– Ofereça uma fruta rica em vitamina C junto com as grandes refeições: laranja, tangerina, morango, manga, abacaxi, kiwi, carambola, pêssego

Garantir boa oferta dos demais nutrientes -Ofereça uma variedade de alimentos, repetindo diversas vezes os alimentos recusados no princípio

– Ofereça de 3 a 5 alimentos diferentes em cada refeição, mas disponha na bandeja apenas um pedaço de cada por vez, repondo sempre que for preciso

Reduzir o risco de falhas no crescimento, como resultado de uma baixa ingestão calórica de corrente da auto alimentação – Ofereça ao menos um alimento energético em cada grande refeição: batata (doce, baroa, inglesa), inhame, aipim, cará, abóbora, abacate, banana, azeite, óleo de coco, carnes em geral, feijões e outras leguminosas

 

Veja também: Prevenindo o engasgo: a escolha do adulto faz toda a diferença

 

De qualquer forma, todas as orientações adicionadas à metodologia do BLISS já deveriam estar sendo feitas por profissionais realmente capacitados para atender este público. Daí a importância de fazer um acompanhamento do processo com um bom nutricionista e/ou pediatra.

Mas a grande novidade do BLISS é que teremos um grande estudo sendo bem conduzido para confirmar (ou não) as aclamadas vantagens do BLW, incluindo: melhora da auto regulação de ingestão calórica, maior desenvolvimento das funções motoras, melhor qualidade da dieta e do comportamento alimentar. Além disso, esse estudo irá verificar se as modificações sugeridas pelo BLISS ajudam a manter um bom estado nutricional de ferro e zinco e reduzir os riscos de engasgo.

Principalmente diante de todas essas informações, os pais podem se pegar pensando “coma mais” ou “coma tudo”. É normal ficar ansioso em relação ao quê e o quanto o bebê vai comer. Mas tente se lembrar de que bebês são ótimos em regular seu apetite, comendo somente o que precisam. O seu papel é continuar oferecendo refeições variadas e nutritivas para que ele aprenda a ter hábitos saudáveis em seu próprio tempo.

 

 

Michelle BentoNutricionista formada pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) em 2008, pós graduada em nutrição clínica funcional pelo Instituto Valéria Pascoal. Atua em consultório e como personal (2)

 

Referências:
Cameron SL, Taylor RW, Heath AL. Development and pilot testing of Baby-Led Introduction to SolidS–a version of Baby-Led Weaning modified to address concerns about iron deficiency, growth faltering and choking. BMC Pediatr. 2015 Aug 26; 15:99.

 

Daniels L et al. Baby-Led Introduction to SolidS (BLISS) study: a randomised controlled trial of a baby-led approach to complementary feeding. BMC Pediatr. 2015 Nov 12;15:179.

 

Orange Appeal!